UMinho disponibiliza residência universitária para apoiar o combate contra a COVID-19

A Universidade do Minho (UMinho) vai disponibilizar as instalações e serviços da Residência Universitária Prof. Carlos Lloyd Braga, em Braga, como apoio de retaguarda a pessoas que se encontram em lares e instalações congéneres afetados por casos de COVID-19. Pretende-se, assim, criar condições para que pessoas que não têm sintomas e testaram negativamente possam ver preservada a sua saúde, assegurando uma alternativa que evite efeitos de contaminação do vírus.

Para o Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, “esta é mais uma forma de a Universidade do Minho se afirmar como instituição solidária, empenhada em contribuir para ajudar as nossas populações e os nossos territórios, apoiando a ação das pessoas e das entidades que estão na primeira linha do combate à pandemia”, lembrando que a instituição “já disponibilizou um número muito expressivo de equipamentos de proteção individual aos hospitais de Braga, Guimarães e Viana do Castelo, bem como a outras instituições do sistema de saúde e de proteção social, está a garantir serviços de apoio clínico e psicológico, por via digital, à nossa população, e encontra-se ativamente envolvida na produção de ventiladores e de testes para despiste da doença”.

Esta cedência temporária do espaço responde a um apelo da Câmara Municipal de Braga no sentido de alargar o número de camas disponíveis para dar resposta adequada e evitar a propagação da pandemia no concelho. A medida contou com a colaboração do Hospital de Braga.

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, considerou que “a disponibilidade prontamente expressa pelo reitor, Rui Vieira de Castro, pelos Serviços de Ação Social da UMinho e pelos alunos instalados na residência é mais um testemunho do compromisso desta instituição para com a comunidade em que se encontra inserida, alocando os seus recursos aos objetivos comuns que prosseguimos nos mais diferentes contextos.” “A Universidade do Minho teve uma resposta exemplar na sequência da primeira ocorrência registada no nosso concelho e tem estado fortemente envolvida em múltiplas dimensões da resposta a esta pandemia, o que merece a minha pública gratidão”, acrescentou.

A UMinho disponibilizará, gratuitamente, os 154 quartos – equipados com quarto de banho, televisão, roupa de cama e banho, e frigorífico – para além dos seus serviços de alimentação para fornecer, mediante avaliação das necessidades. O Município de Braga assumirá, em articulação com o Hospital de Braga, a identificação e o acompanhamento dos novos residentes, assim como a higienização prévia de toda a infraestrutura, dando cumprimento às regras definidas pelas autoridades de saúde.

O Administrador dos Serviços de Ação Social da UMinho, António Paisana, agradeceu a colaboração de todos os estudantes que se encontravam na residência e elogiou a forma responsável e solidária como reagiram. “Todos os estudantes foram contactados para lhes ser explicado o contexto extraordinário em que vivemos, tendo reagido com grande compreensão e espírito de entreajuda ao pedido que lhes foi feito”, disse ainda.

A preparação da Residência para esta nova utilização foi feita com a supervisão de responsáveis da UMinho, do Município de Braga e da Proteção Civil, face às especificidades que este novo uso requer.

Esta iniciativa vem reforçar os fortes laços de cooperação já existentes entre a UMinho, o Município de Braga e o Hospital de Braga, ao mesmo tempo que dá corpo à atitude solidária e unida da Universidade face à pandemia que a sociedade enfrenta.

Comentários

comentários