Um Ano Depois Ponte do Bôco Continua Encerrada

A mais antiga ponte de betão de Portugal, a “Ponte do Bôco” ou de “Parada”, importante ligação entre os concelhos de Amares e Vieira do Minho, mesmo ali às portas do Parque Nacional da Peneda Gerês foi encerrada ao trânsito pelas autarquias de Vieira do Minho e Amares há um ano atrás.

Um ano depois a travessia continua fechada a todo o trânsito automóvel, por razões de segurança.

Já foram efectuadas algumas limpezas nas duas margens, e está em curso um estudo por parte da Universidade do Minho, para ver qual vai ser a reabilitação da actual ponte ou a construção de uma nova travessia.

Os habitantes descontentes com o fecho da mesma colocaram hoje uma tarja( entretanto retirada) a comemorar o primeiro aniversário desde que a ponte foi encerrada.

Reportagem realizada há exactamente um ano

O estado de degradação da ponte, um tabuleiro único com 33 metros sobre o rio Cávado e que foi construído entre os anos de 1908 e 1909, é visível e levou a que os autarcas Manuel Moreira, de Amares, e António Cardoso, Vieira do Minho, adotassem medidas preventivas de forma a evitar uma tragédia.

Ainda Portugal viva no tempo do Estado Novo, onde Salazar era o presidente, quando foi feita a última intervenção naquela que é a ponte mais antiga do país em betão. Segundo as autarquias que a ponte une há 56 anos que nada foi feito na ponte que está classificada desde 2016 como “Monumento de Interesse Público”.

Entretanto o Ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, em declarações à Lusa afirmou que o seu ministério vai dar toda a «colaboração técnica» na resolução dos problemas estruturais, salientando que a estrutura é de «responsabilidade municipal».

Fotos: Direitos Reservados

Comentários

comentários