O Parasita

Ligeiro, lá vai ele…
Sem pressa que a presa já se avistou.
Abeira-se.
Chegando se acomoda.
Fará parte do cenário.
Abeirado.
Chegando-se.
De mansinho, sem pegadas, sem asas.
De mansinho, voando na impercétivel dureza da sobrevivência.
Lá está ele, no cenário obediente.

Ali, amalgamado no que se supõe ser normal.
Ninguém o viu.
Ninguém lhe tocou.
Já se aceita, nos cantos deste quadro esquecido.
Nas curvas sinuosas desta estrada.
Nos tragados nós desta árvore pulvurolenta.

 

-Zás!

De repente, nós todos.
Engulipados.
Transformados.
Parasitas.

 

 

 

©Heitor Nunes

Comentários

comentários

You may also like...