Morreu a cantora portuguesa Dina

A cantora, que venceu o Festival da Canção em 1992, lutava contra uma fibrose pulmonar desde 2006. A doença forçou-a a abandonar os palcos em 2012 e, no início do ano passado, tornou-se público que a artista necessitava de um transplante pulmonar.

Longa carreira na música

Dina, nome artístico de Ondina Maria Farias Veloso, nascida em junho de 1956, no Carregal do Sal. Autodidata, integrou vários grupos até que, em 1980, participou no Festival da Canção. O tema que então cantou, “Guardado em mim”, classificou-se nos últimos lugares da tabela, mas a intérprete acabaria por conquistar a crítica que, pela primeira vez, lhe atribuiu um Prémio Revelação.

Nos dois anos seguintes, gravou os singles “Pássaro doido”, “Amar sem aviso”, “Há sempre música entre nós” e “Retrato”, bem como o álbum “Dinamite”.

Volta a participar no festival em 1982, com “Gosto do teu gosto” e “Em segredo”.

Ainda durante a década de 80, aceitou convites para a gravação de genéricos de programas de televisão, tendo dado voz a um dos principais temas da novela portuguesa “Vila Faia”.

Foi em 1990 que conheceu Luís Oliveira, que viria a ser o produtor do álbum “Aqui e agora”, editado no ano seguinte, quando teve início a parceria entre Dina, Rosa Lobato de Faria e João Falcato, responsáveis por temas como “Acordei o vento”, “Suco açúcar”, “Por alto mar” e a “Cor da vida”.

O grande sucesso da sua carreira chegou em 1992. “Amor d’Água fresca” deu-lhe finalmente a vitória no Festival da Canção e levou-a à Eurovisão.

Dina compôs, em 1995, o hino do CDS. Atitude de que sempre assumiu não se arrepender, mas que reconhecia ter-lhe “fechado muitas portas”.

Em 1997, chega às lojas novo trabalho de originais, “Sentidos”, e, no ano seguinte, volta a contribuir com dois temas de sua autoria para uma banda sonora de novela, no caso, “Os lobos”.

Esta seria, aliás, uma experiência que voltaria a repetir em 2001, quando assinou quatro temas para a telenovela “Filha do mar”. No ano seguinte, foi também a autora de temas da novela “Sonhos traídos”.

Na ocasião, aproveitando o balanço dos êxitos televisivos, Dina começou a preparar um novo trabalho de originais. Contudo, um acidente de viação, que a deixou bastante maltratada, impediu-a de concretizar este projeto.

Com um percurso que oscilou entre o sucesso e o esquecimento, a cantora Dina nunca abandonou o meio musical. Em 2008 lançou a coletânea “Da cor da vida”, a que acrescentou dois temas inéditos, “Esta manhã em Lisboa ” e “O teu olhar mentiu”. Um ano depois, em setembro, assinalou 30 anos de carreira com um concerto único que teve como palco o Teatro São Luiz, em Lisboa.

Mesmo no hiato de quase uma década em que não gravou temas originais ou em que esteve arredada dos espetáculos, Dina nunca deixou de compor à guitarra.

Comentários

comentários

You may also like...