Braga em Risco’ traz a ilustração e o livro para a rua

O Município de Braga promove de 3 a 24 de Novembro mais uma edição do ‘Braga em Risco – Encontro de Ilustração’. A Cidade volta a transformar-se num palácio de artes e criatividade, com a realização de exposições, performances, um mercado, oficinas, conversas, teatro para bebés e cinema de animação.

Com um programa mais consistente e diversificado, a edição deste ano contará com a participação de 34 ilustradores nacionais e dois brasileiros que farão as delícias das crianças, famílias e amantes da ilustração e do livro infantil.

Para Lídia Dias, vereadora da Educação e Cultura, este será o ano de afirmação do ‘Braga em Risco’, “um evento que une gerações, une artistas e linguagens”. “A mais-valia do ‘Braga em Risco’ é trazer a ilustração e o livro para a rua e fazer com que ambos façam parte da nossa vida”, salientou a vereadora durante a apresentação do evento.

O Edifício do Castelo, a Casa dos Crivos e o Museu da Imagem tornam-se as fortalezas de um programa rico em acontecimentos artísticos. Uma delas é a exposição colectiva Braga 22×22, este ano subordinado ao tema do Património. Ao todo são apresentadas 14 exposições individuais, onde se destacam os ilustradores brasileiros Roger Mello e André Neves, e cerca de 1.700 pequenos artistas Bracarenses do 1.º ciclo em representação dos agrupamentos escolares do Concelho.

O programa inclui ainda 31 oficinas do risco nas escolas, 26 oficinas do risco, 2 masterclasses, 5 workshops, 8 sessões de apresentação de livros, 4 conversas, 10 visitas ao Castelo, 1 peça de teatro para bebés, 3 performances de rua, 1 instalação-exposição, 1 mostra de animação e 1 mercado riscado com a venda de originais.

Aposta na programação para as escolas

Uma das marcas do ‘Braga em Risco’ é a aposta na programação para a comunidade escolar. De 05 a 09 de Novembro, os alunos do Concelho vão poder usufruir de visitas guiadas e de 32 oficinas que são levadas a cabo pelos ilustradores nas escolas ou integrar as 26 oficinas agendadas para o edifício do Castelo.

Segundo Lídia Dias, a aposta num programa de educação para as artes e de matriz artística na educação é, para as Escolas, o desenhar de uma estratégia de futuro. “Compreendemos que a abordagem educacional é essencial para a promoção da Arte e da Cultura, no contexto escolar, pois sem ela o Património imaterial e material está em risco”, acrescentou a vereadora, agradecendo aos inúmeros parceiros que contribuem para a realização do evento.

O encerramento do ‘Braga em Risco’ fica marcado pelo lançamento oficial do livro “A água e a águia” escrito por Mia Couto e ilustrado por Danuta W. no dia 23 de Novembro.

Comentários

comentários

You may also like...